Saturday, 8 September 2018

Grupo De Cantares De Manhouce ‎– Vozes Da Terra (1990)

Style: Folk, World Music
Format: Vinyl
Label: EMI-Valentim De Carvalho, Música Lda.

Tracklist:
A1.   Senhor Lexandre
A2.   Espadelada
A3.   Ó Menina Aurora
A4.   Vai-te Embora António
A5.   Rabela De Vilarinho
A6.   Reis De Manhouce
B1.   Patocina Nogueira
B2.   Ó Robeira, Ó Ribeira
B3.   Ó Laranja, Olá Laranja
B4.   Eu Venho De Lá De Riba
B5.   Senhora Da Saúde
B6.   Vira Flor

Credits:
Producer – Mário Martins

Qualquer um de nós pode, em qualquer dia da semana, entrar numa boa discoteca (uma que ainda não se tenha convertido à situação exclusiva de intermediário entre os armazenistas ingleses e os estabelecimentos nocturnos hoje conhecidos pelo mesmo nome) e apoderar-se das obras completas de Carlos Paredes e José Afonso, da Amália dos anos 50 e 60, de um ou outro disco de Carlos do Carmo, de uma boa compilação de fado (uma que combinasse as correntes «vadia» e «aristocrata», incluindo Marceneiro, Carlos Ramos, João Braga e João Ferreira Rosa, entre outros, seria, em dúvida, a mais indicada), dos primeiros álbuns de Vitorino e Janita Salomé, de uma ou outra banda sonora contemplando as incursões de José Mário Branco pela música transmontana, dos dois primeiros LP do Grupo de Cantares de Manhouce, do essencial disco único dos Ó Que Som Tem, da estreia dos Almanaque, de passagens esporádicas da discografia da Brigada Victor Jara e da obra do GAC. Quem o fizer, levará para casa o melhor lote (parcialmente) disponível no mercado dessa variante de música portuguesa, no interior da qual conceitos como «qualidade» e «autenticidade» se dão desesperadamente as mãos até nos fazerem sentir num apelo surdo à nossa cumplicidade que há um património entregue a unia luta renhida contra o fantasma da extinção. Que em toda a produção posterior ao reinado da denominada MPP apenas tenhamos sentido o frémito dessa corrente telúrica no subsolo das obras de nomes como António Variações, Ocaso Épico, Heróis do Mar (primeiro álbum), António Emiliano e, pontualmente, Sétima Legião, confirma-nos que alguma razão assiste àquele quase imperceptível impulso de sobrevivência vindo do interior ou das margens daquela realidade (consoante o gesto parte de um «genuíno» ou de um «voyeur» da cidade). E depois, é claro, há o paradigma cujo desaparecimento do mercado converteu em utopia: a colecção completa de recolhas de música tradicional de Michel Giacometti. A música genuína em trânsito do produtor para o consumidor sem a razão nem o comércio de permeio. Demasiado tem-po estacionada em arquivos estatais e particulares, na reentrada em circulação desse património inestimável poderiam (diferente de «deveriam», note-se) repousar as esperanças da redescoberta de uma essência (e, em última análise, da identidade) nacional de que vos falei há algumas semanas e a consequente revitalização dos centros nervosos da música portuguesa, cuja caminhada para o futuro terá de passar mais por aí que por Manchester ou Nova Iorque (digo-o sem qualquer acesso de patriotismo e sem  pretender xenofobicamente fechar outras portas nos dias da aldeia global). É verdade que quem gosta mesmo de música deseja discos óptimos independentemente da sua origem no espaço e no tempo; mas, se existe uma forma de música (no seio da qual se albergam inúmeros subtipos) que levou oito séculos a fazer-se a si própria, por que razão ela se há-de extinguir agora que falta tão pouco para a transposição da mítica fasquia do ano 2000? Conceda-se toda a atenção a discos como Terreiro Das Bruxas dos Vai De Roda (do qual João Lisboa já aqui se ocupou) e Vozes Da Terra do Grupo de Cantares de Manhouce. E, sobretudo, não os poupemos a críticas (se for caso disso) porque trocar a subvalorização pela sobrevalorização deixar-nos-á no mesmo ponto do mapa. Vozes Da Terra, por exemplo, é um disco no qual coexistem elementos do mais puro fascínio e factores relacionados com a direcção musical que tomam a sua abordagem pouco convidativa. Se Cantares Da Beira e Aboio — os dois primeiros álbuns — revelaram dureza e pureza quanto baste para repor, ainda que temporariamente, na ordem do dia realidades semiocultas como aquelas a que atrás faço alusão, e se Cânticos Populares Religiosos definiu um certo tipo de ambientes inequívoco que, por exemplo, levou Miguel Esteves Cardoso a escrever na ocasião uni texto interessantíssimo sobre a noite portuguesa (não a que começa no Kremlim e termina no Alcântara-Mar, mas a que nos entra pela janela do comboio quando viajamos de madrugada), Vozes Da Terra perde-se um pouco na tentativa de conciliação entre duas componentes que, embora ancoradas na mesma origem popular, resultam aos nossos ouvidos como forças antagónicas. Assim, enquanto as vozes (femininas e masculinas, mas sobretudo aquelas) actuam por meio da sua extrema beleza e de um vigor indomesticado directamente sobre os nossos centros emocionais, a concepção dos arranjos parece nortear-se por um sentido civilizador que empurra a secção instrumental para uma toada morna de tuna académica em cuja superficialidade esbarra o «apelo da terra» que, no quadro actual da música portuguesa, não nos importaríamos nem um pouco de sentir. Por tudo o que atrás escrevi, terá o seu quê de contraproducente dizer que os melhores momentos do quarto álbum do Grupo de Cantares de Manhouce são aqueles em que O Mistério Das Vozes Búlgaras e Pogues à portuguesa são as imagens que de imediato nos ocorrem. Mas, bem vistas as coisas, talvez seja essa a maneira mais eficaz de definir os caminhos que o disco poderia ter seguido. (LP EMI/Valentim de Carvalho 1990) 
Ricardo Saló / Expresso

Grupo De Manhouce ‎– Cânticos Populares Religiosos (1985)

Style: Classical, Fado, Religious
Format: CD, Vinyl
Label:  EMI-Valentim De Carvalho, Música Lda.

Tracklist:
01.   Embalo
02.   O Menino De Jesus
03.   Amado Jesus
04.   Aqui Estão As Três Rosinhas
05.   Quando Ouvires Tocar Pr'à Missa
06.   Repenica O Sino
07.   Bendito E Louvado Seja
08.   Muito Lindo É O Céu
09.   Senhora Das Dores
10.   À Porta Das Almas Santas
11.   Aleluia
12.   Vindo O Lavrador Da Arada
13.   Encontrei Nossa Senhora
14.   Ladaínha De Nossa Senhora
15.   Ladaínha De Todos-Os-Santos

Credits:
Composed By, Written-By – Traditional
Engineer – Hugo Ribeiro
Producer – Mário Martins